Insaciáveis – Opinião de Hermano Aguiar
Publicado em 24 de Agosto, 2015

A Economist, no seu estilo inconfundível de fazer jornalismo de opinião, aproveitando a notícia da Coreia do Norte ter alterado os seus relógios, atrasando-os em meia hora, a fim de fazer vincar a sua própria zona horária, presenteou os seus leitores com um historial dos homens que, insatisfeitos com o seu poder, quiseram deixar a sua marca, mudando calendários e relógios. Tudo na vã tentativa de querer controlar tudo, incluindo o tempo.

Na Coreia do Norte, o tempo começa a contar a partir de 1912, ano em que nasceu o “eterno presidente” Kim Il Sung.

O Senado Romano nomeou o mês de Julho em honra de Júlio César e o de Agosto em memória de César Augusto.

Mas nem todas as mudanças de calendário e de horas resistiram ao passar do tempo. Em 1789, a França revolucionária implementou o relógio de dez horas. E a ex-União Soviética experimentou a semana de cinco dias.

Na era moderna, com a globalização, as tentativas para “generalizar” a zona horária, atravessando diversos fusos horários, não têm sido bem sucedidas. A afirmação do poder pessoal não tem resistido à geografia.

Estamos perante ilustrações de insaciáveis poderosos que até o tempo tentam controlar.