Comunicado da Comissão Política da Ilha do Faial – 24 de agosto de 2015
Publicado em 24 de Agosto, 2015

Faltam lugares e voos para o Faial

A Comissão Política da Ilha do Faial do PSD não pode ficar indiferente aos constantes apelos e reclamações que lhe chegam de muitos cidadãos, agentes de viagens e empresários de turismo sobre a falta de lugares e de voos da SATA de e para o Faial, o que está a causar enormes constrangimentos à vida das pessoas e ao nosso desenvolvimento económico.

Este curto espaço de tempo de vigência do novo modelo de transportes aéreos tem provado, infelizmente, que esta administração da SATA não tem tido capacidade nem competência para responder positivamente às potencialidades desse modelo.

O novo modelo de transporte aéreo recentemente implementado nas ligações entre os Açores e o Continente Português foi apresentado como constituindo uma enorme oportunidade também para as ilhas que não seriam servidas pelas companhias designadas de low cost, uma vez que os passageiros que o pretendessem podiam beneficiar de reencaminhamentos gratuitos para essas mesmas ilhas. Ora, sem lugares nos voos inter-ilhas o Faial e as outras ilhas não poderão beneficiar dessa possibilidade e exige-se que a SATA responda com eficácia e com urgência a este desafio, a bem do desenvolvimento de todas as ilhas dos Açores.

Mas para além da falta de lugares nos aviões da SATA estar a condicionar os reencaminhamentos, está também a trazer inúmeros problemas a quem precisa, por diversas razões, de sair ou de vir ao Faial. O Governo Regional e a administração da SATA têm de perceber que esta empresa existe, em primeiro lugar, para promover a mobilidade dos Açorianos e que neste momento ela está a ser um forte entrave a essa mobilidade.

Mas os problemas não se ficam pelos voos inter-ilhas: nas ligações entre a Horta e Lisboa também existem fortes constrangimentos que importa debelar de forma estrutural. A falta de lugares não pode ser resolvida em cima dos joelhos, com o anúncio do reforço dos voos entre Lisboa-Horta-Lisboa, para vigorar entre 22 de julho e 26 de agosto, feito a oito dias de se iniciar a operação, ou com o anúncio, ainda mais recente, de dois voos extraordinários, um para 30 de Agosto e outro para 13 de Setembro, quando perceberam que é quase impossível sair do Faial até meados de Setembro. Estes anúncios avulsos são bem reveladores do amadorismo e da falta de planeamento que infelizmente se verificam na maioria das decisões da administração da SATA.

Depois do Governo e da SATA terem garantido que o número de voos inicialmente programados nas ligações com Lisboa eram suficientes, afinal acabaram por dar razão ao PSD e à generalidade das forças vivas do Faial que sempre reivindicaram, no tempo certo, que a SATA devia manter nesta rota, pelo menos, o mesmo número de lugares disponíveis do ano anterior, o que, como se sabe, não aconteceu. Destacamos dessas reivindicações a necessidade, comprovada pela realidade, de voltarmos a ter na rota Lisboa- Horta-Lisboa, em Julho e Agosto, 14 voos semanais.

Não é concebível nem aceitável este estrangulamento que a SATA está a causar ao Faial e aos Açores. Torna-se, por isso, urgente que a SATA reforce a sua operação, facultando mais lugares e mais voos, mas é também urgente que haja na administração SATA mais competência, mais profissionalismo e uma maior capacidade de organização e planeamento, coisas que ao Governo Regional, seu acionista único, não parecem preocupar.

Caso rapidamente a SATA não mude de atuação, de companhia bandeira e orgulho de todos os Açorianos, pode-se transformar num enorme obstáculo ao desenvolvimento e à coesão dos Açores.