SATA “está a prejudicar” ilha de São Jorge
Publicado em 14 de Julho, 2015

O PSD/Açores considera que a SATA tem prejudicado gravemente a economia da ilha de São Jorge, “dada a falta de lugares verificada nos voos durante o verão IATA”.

“Se o novo modelo de transportes aéreos perspetivava uma maior mobilidade inter-ilhas e para o continente português, o péssimo planeamento e a má gestão dos voos da SATA, boicotou de forma drástica essa mobilidade”, afirma o deputado António Pedroso.

O social-democrata refere que a utilização frequente das aeronaves Dash 200,”com apenas 38 lugares, demonstrou ser insuficiente para satisfazer a procura de lugares de voo. E o facto de os aviões estarem sempre cheios acabou mesmo por prejudicar toda a economia da ilha”, acusa.

“Esses prejuízos vão desde os doentes deslocados, obrigados a permanecer mais dias fora da sua ilha com os custos inerentes, até aos turistas, a quem os encaminhamentos gratuitos de nada serviram, pois os aviões estavam na sua maioria cheios, o que os reteve nas ilhas com gateways”, explica.

Para António Pedroso, “a SATA prejudicou o cartaz turístico de São Jorge, que se tornou um destino de difícil acesso, assim como todo o investimento feito na promoção da ilha, que não trouxe o retorno previsto”.

O deputado social-democrata diz que o governo socialista “quer controlar tudo e todos, e até os turistas são reféns da política medíocre dos transportes regionais, pois chegados a São Miguel são impedidos de visitar as outras ilhas por falta de lugares nos voos”, acrescenta.

“É com discriminação e indiferença que os jorgenses são tratados pelo governo regional socialista e pela SATA”, afirma o parlamentar, aferindo que “os empresários jorgenses sentiram na pele os cancelamentos de reservas, porque os clientes não conseguem confirmação de voo para São Jorge”.

“Os emigrantes, chegando à Terceira ou a São Miguel, não conseguem ligações de imediato para São Jorge. E os comerciantes não têm espaço para exportar as suas mercadorias, muitas delas perecíveis, como é o caso do pescado”, sublinha.

“É o governo regional do PS, que incentiva os empresários a investirem no turismo, quem impede o desenvolvimento do setor em São Jorge, estrangulando os transportes aéreos e impedindo claramente o sucesso económico dos jorgenses”, conclui.