Nepotismo – Opinião de Hermano Aguiar
Publicado em 13 de Julho, 2015

Quem assume responsabilidades politicas terá sempre que medir as suas palavras e os eus atos. Quem se propõe a eleições não deixa de ser um cidadão. Passa a ser um cidadão com responsabilidades redobradas.

Pôr a nu as incoerências entre o discurso de Carlos César e a sua atuação política é um dever de cidadania. O escrutínio de um político implica saber o que faz, com quem fez, que decisões tomou.

O candidato à Assembleia da República e atual presidente do PS criticou, e bem, as supostas diretrizes de vários ministérios para fazerem um balanço das propostas políticas do PS, dizendo que Passos Coelho lidera um mau governo, e um governo que serve o seu partido.

O passado de César não lhe confere esta prorrogativa. Porque os seus governos fizeram o que ele agora condena aos outros e até chegou ao cúmulo de aproveitar as responsabilidades que os açorianos lhe confiaram para “guindar” toda a sua família, sem meritoriamente o merecerem, para patamares de salários públicos que somam os 16.000 euros mensais. Numa Região que tem 71% dos seus agregados familiares a viverem com uns míseros 530 euros por mês.

Nepotismo! Um dos piores males da nossa democracia açoriana.