Comunicado da Comissão Política Concelhia de Vila Franca do Campo – 2 de julho de 2015
Publicado em 02 de Julho, 2015

Em defesa do São João da Vila

A Comissão Política Concelhia e o Conselho Consultivo do PSD de Vila Franca do Campo, após reunião para falar sobre o atual formato dos festejos do São João da Vila, sentem a obrigação de tornar pública a opinião de grande parte dos Vilafranquenses.

Neste momento, não sabemos bem, e na verdade ninguém percebe, se Vila Franca festeja o São João ou o São João Pedro. Se antes as marchas desfilavam nos dias 23 e 24 de Junho – feriado municipal – agora saem dia 23 e no sábado seguinte, que coincide com o dia de São Pedro. Tal não é tradição em Vila Franca.

As pessoas querem continuar a festejar o feriado municipal, como sempre fizeram, com marchas pelas ruas e com todas as tradições inerentes a este dia. No dia 24 de Junho, Vila Franca parecia uma vila fantasma, com excepção do recinto das festas, que fica num extremo da Vila e que, por mais adornado que esteja, não agrada aos Vilafranquenses.

No ano passado, por ser o primeiro ano, e porque não somos contra mudanças quando são para melhor, o PSD não se pronunciou sobre esta matéria. Neste momento, sendo já o segundo ano com este formato, e vendo o crescente descontentamento das pessoas, sentimos que é nossa obrigação falar por todos aqueles que se calam com receio de dar a sua sincera opinião a quem planeia estes eventos.

Dois anos de experiências frustradas já são suficientes. Corre-se o risco de perder o maior cartaz festivo de Vila Franca do Campo.

Parece que voltamos à infeliz época dos festejos de Santos Populares em recintos fechados, coisa que nunca agradou aos Vilafranquenses. A melhor decisão tomada, a este respeito, foi tirar os festejos do São João do campo de jogos da Mãe de Deus e festejá-lo pelas ruas da Vila, com muita animação em vários pontos estratégicos, como na tradicional Largo Bento de Góis, no São João do Teatro, ou mesmo noutros que foram aparecendo mais recentemente, como o São João do Poço Largo, e na maioria por manifestações e organizações populares espontâneas.

Estão assim provados os maus resultados desta teimosia da Câmara Municipal de querer tirar os festejos da Largo Bento de Góis, que coincide com o Império do São João e que se afirmou, também, por vontade popular.

A Câmara Municipal tem obrigação de concentrar-se em melhorar cada vez mais aquilo que é tradicional, o São João da Praça. Diz a Câmara Municipal que o Largo está a ficar pequena para tantas pessoas que visitam Vila Franca. Isto só pode ser bom sinal. E em Vila Franca, há sempre lugar para mais um.

Prova disto é que, durante a Noite da Juventude com o artista Mickael Carreira no recinto das festas, o dito Largo que fica do outro lado da Vila estava com muita gente, que optou por não assistir ao concerto. Aliás, o número de bilhetes vendidos ficou muito aquém das expectativas.

Claro que os concertos da Noite da Juventude sempre foram pagos. Não é isto que está em causa. É preciso alguma sensibilidade para admitir que as pessoas não gostam daquele recinto. E quando não estão satisfeitas é isto que acontece. Não vale a pena tentar sobrepor vontades políticas à vontade popular.

É natural, que sejam necessários, de ano para ano, alguns acertos nas festividades, de forma a proporcionar às pessoas – tanto de Vila Franca, como de quem nos visita – a melhor forma de festejar o São João.

Mas mudar radicalmente as tradições, correndo mesmo o risco de perdê-las, contra a vontade popular e afirmar que foi um grande sucesso, é próprio de quem tem dificuldade em reconhecer que errou. Admitir o erro não é vergonha nenhuma. É próprio de quem tem de tomar decisões. Voltar atrás quando as opções tomadas não funcionam e ouvir as pessoas deve ser imperativo para qualquer gestor autárquico.

Se a intenção de festejar o santo popular no sábado seguinte era atrair visitantes a Vila Franca, a verdade é que também isto não se comprovou nos últimos dois anos. O “marchódromo”, como agora se chama, de dia 27 tinha muitas pessoas, mas sua grande maioria Vilafranquenses, que também lá estariam se fosse dia 24.

O São João é das pessoas, é das ruas, é das marchas, é do povo e é comemorado de 23 para 24 e de 24 para 25 de Junho.

Se a Câmara Municipal quer festejar São Pedro em Vila Franca, que tem um povo tão alegre e festivo, que sejam iniciadas novas tradições para o São Pedro. E que as marchas saiam então à rua três dias em vez de dois. Que se oiçam as pessoas e que se respeite a vontade popular. Mas continuar a festejar o “São João Pedro” é que não.