“Com a Saúde não se brinca” – Opinião de Cláudio Almeida
Publicado em 26 de Maio, 2015

Nos dias de hoje, o acesso aos serviços de saúde nos Açores torna-se cada vez mais caro e distante, fruto da política do Governo Regional, de reduzir custos. Há menos deslocação de especialistas às ilhas sem Hospital, verifica-se um aumento das listas de espera cirúrgica.

O novo regime de reembolsos, elaborado pelo Partido Socialista, faz com que sejam penalizados os doentes crónicos e os idosos, não deixando outra alternativa aos açorianos, se não a de ir as urgências Hospitalares ou pagarem do seu bolso se quiserem usufruir de cuidados de saúde. Os açorianos já não têm Médicos Especialistas nos Centros de Saúde, aumentando assim as listas de espera para consulta nos Hospitais.

O novo sistema de reembolsos mostra-se totalmente discriminatório. Para uma mesma doença, no sector público ou convencionado, o doente não tem qualquer limite no número de tratamentos a efetuar, de análises realizar ou de exames a fazer. No entanto, no sector privado só o poderá fazer – reembolsando os seus custos – uma única vez por ano.

Por outro lado, o acesso por parte dos utentes a convenções apenas e só através do sector público fez com que empresários que tinham sido estimulados a investir se vejam agora com estruturas sobredimensionadas, sendo obrigados a despedir colaboradores e baixar vencimentos.

Com a saúde das pessoas não se brinca. Cortar nos cuidados de saúde aos açorianos para racionalizar recursos e impor uma política de austeridade, fruto dos gastos desnecessários do Governo Regional sob a tutela Socialista, não é humano nem aceite. Para tal, o PSD/Açores apresentou uma proposta destinada atenuar os efeitos nefastos dos cortes deliberados pelo Governo Regional no regime de reembolsos, apoiando assim os mais necessitados. Lamentavelmente, o Partido Socialista não aceitou a proposta do PSD/Açores.