PSD/Açores quer esclarecimentos sobre a Sinaga
Publicado em 27 de Abril, 2015

O PSD/Açores pediu um conjunto de explicações ao Governo Regional, tendo em vista a situação da Sinaga e da produção de açucar em São Miguel, já que a empresa “tem uma grande importância no tecido socioeconómico da ilha, com repercussões em toda a Região, mas temos assistido a uma grande redução da área local cultivada de beterraba”.

Num requerimento enviado à Assembleia Legislativa, o deputado social-democrata Renato Cordeiro refere que “as decisões tomadas pelos últimos conselhos de administração, nomeados pelo Governo Regional, deixam em aberto várias questões mas, em consequência das mesmas, tem havido esse abandono da cultura da beterraba por grande parte dos produtores”, lembra.

Renato Cordeiro quer assim saber “os números da produção de beterraba nos últimos 3 anos e as suas vendas, e qual será necessária para que a Sinaga labore de forma economicamente viável, assim como as previsões da campanha de 2015”, atendendo a que a produção de açúcar “é feita com base em beterraba produzida localmente, mas também com a importação de ramas de beterraba sacarina, decorrendo daí o preço final existente no mercado”, esclarece.

“Considerando a importância que o mercado regional tem para a empresa, onde a industria confeiteira é um grande cliente, assim como a concorrência com outros produtos de igual teor existente no mercado, é necessário termos estes esclarecimentos da tutela”, avança o deputado.

Renato Cordeiro quer também saber se, a redução da área cultivada “vai condicionar o preço do açúcar” e conhecer “os indicadores económicos da empresa. É preciso ainda ter presente toda a evolução do mercado, designadamente vendas e preços apresentados pela Sinaga e pelos seus concorrentes”, questiona.

O deputado social-democrata pede também dados sobre a estratégia a aplicar, “em casos de excesso ou insuficiência na oferta. Importante é também esclarecer o ponto da situação em termos de produtos de valor acrescentado e da linha “gourmet” anunciada pela administração da Sinaga”, conclui.