Escola Vitorino Nemésio continua sem obras de melhoramento
Publicado em 20 de Abril, 2015

O PSD/Açores denunciou a longa espera pelas obras na Escola Básica e Secundária (EBS) Vitorino Nemésio, na Praia da Vitória, lembrando um conjunto de intervenções “prometidas pelo governo regional, que nunca começaram e que nem sabemos se vão avançar”, disse a deputada Judite Parreira.

Num requerimento enviado à Assembleia Legislativa, a social-democrata coloca várias questões ao executivo, nomeadamente sobre “o tipo de obras a levar a cabo naquela escola, a previsão de início e conclusão dessas obras”, querendo também saber “se o governo regional já deu conhecimento das datas da intervenção ao Conselho Executivo da escola”, adiantou.

Segundo Judite Parreira, “já em junho de 2014, o PSD/Açores manifestou preocupação com a decisão de reorganizar a rede escolar na Praia da Vitória, transferindo os alunos do 3º Ciclo da EBI da Praia da Vitória para a EBS Vitorino Nemésio”, isto sem se assegurar “o interesse e salvaguarda dos alunos, quer do ponto de vista pedagógico, quer na criação de condições de segurança”, recorda a deputada.

“Pelo que queremos a confirmação de que essa reorganização se mantém. E se, no próximo ano letivo, os alunos do 8º ano da Básica Integrada da Praia da Vitória vão mesmo para a EBS Vitorino Nemésio”, explica.

Judite Parreira também recorda que, “o então Secretário da Educação, Fagundes Duarte, assegurou obras de intervenção na EBS Vitorino Nemésio, cujo edifício, com mais de duas décadas, apresenta visíveis marcas de degradação a vários níveis, como a falta de condições de acesso a alunos portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida e várias infiltrações”, refere.

“A opinião veiculada pelo anterior secretário, é de que havia a necessidade de rentabilizar recursos, que no caso era uma condição imprescindível para uma escola de sucesso. Mas entretanto mudaram o secretário e a diretora regional da Educação”, frisa.

Face a isso, Judite Parreira lembra que o atual secretário, Avelino Meneses “já disse publicamente que a Educação não é compaginável com uma visão economicista de ideologia neoliberal” e, de facto, “desde então já decorreu um ano letivo, sem que tivessem sido realizadas quaisquer obras na referida escola. Daí que seja natural a nossa dúvida sobre essa intervenção”, concluiu.