Duarte Freitas. O papel principal – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 22 de Abril, 2015

Quando Sócrates anunciou ao país as medidas de austeridade decorrentes do resgate da TROIKA, ficou-se apenas por aquelas que seriam menos dolorosas, ocultando as mais nefastas para os Portugueses. Quem disse isto foi Teixeira dos Santos, o Ministro das Finanças de Sócrates que ficou desagradado por não terem sido anunciados todos os cortes em rendimentos e pensões e todos os aumentos de impostos que Portugal teria de suportar.

De entre esses aumentos de impostos incluía-se a redução de diferencial fiscal dos Açores que também fora ocultada na comunicação de Sócrates.

Essa redução do diferencial fiscal foi conhecida dos açorianos, mas Carlos César, à semelhança de Sócrates, escondeu a verdade sobre esse brutal aumento de impostos. Na altura, César e Cordeiro desvalorizavam esse aumento os impostos dos açorianos, tentando passar a mensagem de que isso não teria nos Açores o impacto que o PSD então denunciava.

Mas se isso foi típico da forma como os socialistas escondem os fracassos da sua governação, já com o decurso do resgate que nos humilhou perante a Europa, César e Cordeiro faziam de conta de que não tinham a responsabilidade de ter permitido que Sócrates levasse os açorianos a pagar mais impostos.

Para o socialismo dos Açores, cujo governo era o único a beneficiar com o aumento de impostos na região, aumentando as suas receitas, o melhor mesmo era atirar culpas para Passos Coelho e para quem tinha a árdua tarefa de salvar Portugal do jugo da TROIKA.

Mas quem não se conformava com essa injustiça de aumentar os impostos dos Açores nunca baixou os braços e lutou sempre para que fosse possível, o quanto antes, voltar a ter um diferencial fiscal de 30%, pois isso era fundamental para promover o crescimento da economia e a criação de riqueza.

E essa pessoa, que nunca deixou no esquecimento a injustiça praticada, foi o Presidente do PSD Açores, Duarte Freitas.

Ninguém pode esquecer que por acção de Freitas os deputados do PSD Açores votaram contra a redução do diferencial fiscal e ninguém pode, igualmente, esquecer que foi Duarte Freitas quem, aquando do Congresso do PSD em que pela primeira vez foi eleito Presidente do Partido nos Açores, disse a Passos, olhos nos olhos, que exigia a reposição do diferencial fiscal.

Em resposta, Passos disse que naquele momento não se podia comprometer com a redução dos impostos dos açorianos pois, durante o programa de ajustamento, Portugal estava obrigado a cumprir com essa imposição trazida pela mão de Sócrates e César. Mas que com a saída da TROIKA se voltaria a falar sobre essa possibilidade.

Entretanto a TROIKA foi posta fora de Portugal pelo Governo liderado por Passos Coelho, perante a incredulidade dos socialistas e, nos Açores, César e Cordeiro faziam de conta que o diferencial fiscal era apenas mais uma das medidas cujo ónus seria de Passos para que o proveito fosse do Governo Regional.

Houve, porém, quem não esquecesse os interesses dos Açores e dos açorianos e, mais uma vez, Duarte Freitas teimou que não se podia permitir a manutenção daquela injustiça não deixando que Passos perdesse mais tempo em repor o diferencial fiscal nos 30%.

Com a saída da TROIKA, Freitas levou a que Passos anuísse e, no último Orçamento de Estado, consagrou-se a reposição do diferencial fiscal.
Finalmente, a muito custo, Cordeiro aceitou, agora, cumprir com a redução dos impostos nos Açores, mas é um dever lembrar a verdade histórica e se no próximo mês os impostos dos açorianos vão baixar, Freitas teve o papel principal.